Trânsito humanizado: conscientização reduz em 19% o número de veículos retidos

Nesses primeiros sete meses de 2018 o pátio da Cettrans recebeu 253 veículos a menos do que igual período de 2016; no comparativo com 2016, o ano de 2017 encerrou com 327 menos veículos retidos

Secom

Uma cidade com o potencial de crescimento e de desenvolvimento como a nossa, requer mobilidade urbana a qual contempla, necessariamente, mudança de mentalidade no trânsito. E em Cascavel os números demonstram que isso vem ocorrendo de forma gradativa e positiva.

Um dos indícios de que o comportamento dos motoristas está mudando é a redução no número de veículos que são removidos de circulação por estarem em desacordo com as normas estabelecidas pelo CTB (Código de Trânsito Brasileiro) ou pela Legislação Municipal e que são levados ao pátio de remoção e guarda que é administrado pela empresa Quality Flux Automação e Sistema Ltda, vencedora da licitação em 2014, com contrato para cinco anos de operação.

Já no primeiro ano desta gestão (2017) houve diminuição de 16,16% nas apreensões de veículos em relação a 2016. Foram 327 veículos a menos do que em 2017 recolhidos ao pátio. O número baixou de 2.023 veículos em 2016 para 1.696 em 2017.

Nesses primeiros sete meses de 2018, a queda foi ainda mais significativa, ficando em 19,82% menos veículos retidos no comparativo com igual período de 2016, quando foram encaminhados 1.276 veículos ao pátio (janeiro a julho) enquanto neste ano, em igual período, 253 a menos (1.023). Em relação a 2017, neste ano de 2018 a queda no mesmo período foi de 10,57% (121 carros a menos).

Gestão humanizada 
Com uma nova proposta de gestão humanizada também para o setor de trânsito, o prefeito Leonaldo Paranhos assumiu já investindo em campanhas educativas que intensificaram o alerta para a Lei Seca e os riscos de se associar álcool e direção e, “envolvendo diferentes ramos da sociedade, nossos agentes de trânsito, taxistas e vários parceiros e entidades de segurança pública, temos ampliado a luta para transformar as ruas em locais de convivência e respeito”.

Fiscalização e educação no trânsito
A redução é atribuída a vários fatores, como conscientização, a educação a à austera fiscalização no trânsito, segundo análise do presidente da Cettrans, Alsir Pelissaro.

Somente em operações-bloqueio, as denominadas blitzes, são pelo menos uma a cada dois dias em Cascavel, o que limita o número de condutores trafegando com documentação ou veículo irregular. Para se ter uma ideia, este ano, em 212 dias (janeiro a julho), já foram 91 dias com blitz pela cidade. Elas ocorrem em diferentes horários e locais, algumas várias vezes num único dia. Incluindo blitzes, presença, radar, operações em escolas e educativas, o setor de operações de trânsito já realizou de janeiro a julho 1.013 operações em 2018.

“A presença constante das equipes de fiscalização nas ruas inibe a circulação de veículos e motoristas em situação irregular, em desacordo com normas e colocando em risco a vida deles e de outras pessoas. Um fator positivo, nas blitze, é o número de condutores notificados por dirigir veículos com alguma irregularidade da CNH ou sem possuir CNH”, ressalta o gerente do Departamento de Fiscalização de Trânsito, Alex Sandro Vitório.

19,30% menos multas nos radares

A fiscalização de trânsito também tem surtido efeito educativo nos condutores de Cascavel, segundo Pelissaro. De 2016 para 2017 houve redução de 3.334 infrações registradas nos radares, representando queda de 7,95%. Já de julho de 2017 a julho de 2018 foram 4.536 infrações a menos, o que equivale a uma queda de 19,30% de um ano para outro no período analisado.

Mais de 20 mil pessoas em campanhas
Em menos de dois anos o setor de Educação no Trânsito já envolveu em campanhas educativas 20.861 pessoas. São palestras que estão dentro do programa de educação de trânsito, que contemplam os projetos Escola de Trânsito, Agente de Trânsito por um Dia, Idoso no Trânsito, Agente de Trânsito por um Dia, Balada Segura, Cidadão em Trânsito, Moto Segura, Transitando na Escola, Pé na Faixa, Formação Continuada, Rua Segura, Volta às Aulas e Maio Amarelo. Esses projetos atraem crianças a partir de 3 anos de idade até o idoso, com aulas, palestras, atividades lúdicas e abordagens educativas nas vias públicas.

33% menos morte no trânsito
A mudança de comportamento reflete no que é mais valioso para toda a sociedade: a vida. Mais do que evitar multas ou apreensões, a educação nas vias públicas pode evitar acidentes e morte em decorrência deles. E o número de óbitos nas vias públicas de Cascavel em decorrência de acidentes também pôde ser observado.

De junho de 2017 a junho de 2018 houve redução de 33,33% no número de óbitos (18 em 2017 e 12 em 2018); no comparativo entre 2017 e o ano anterior, a queda foi de 19,23% (de 26 para 21 mortes).

Quando envolve pedestres, a redução é ainda mais significativa. O número de acidentes envolvendo pedestres caiu 39,02% no período analisado e o de óbito de pedestres caiu 50% (8 em 2017 e 4 em 2018). Menos motociclistas também morrem em acidentes em Cascavel. Houve queda de 46,67% no comparativo 2016/2017).

Neste ano de 2018, não houve óbito de ciclistas, resultado das ciclovias e orientações para o uso correto das mesmas e caiu em 18,01% o número de acidentes envolvendo motociclistas.

 

Avatar

Luiz Carlos da Cruz

Jornalista desde 1998 com reportagens publicadas em grandes jornais do Brasil, como a Folha de S. Paulo e Gazeta do Povo. Teve passagens pelos jornais Gazeta do Paraná, O Paraná e Hoje, onde foi editor-chefe, além do portal CGN e Rádio Independência. Fundador dos jornais Boas Notícias e Boa Noite!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.