Suspensa licitação de Cantagalo para contratar assessoria administrativa

Indícios de irregularidade levaram o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) a emitir medida cautelar que suspende licitação do Município de Cantagalo (Centro-Sul). O objeto é a contratação de empresa especializada para a prestação de serviços de coleta de dados administrativos e financeiros de 2013 a 2016, garantindo o atendimento à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF – Lei Complementar nº 101/2000).

A cautelar foi concedida pelo conselheiro Fabio Camargo no dia 3 de julho; e homologada na sessão do Tribunal Pleno do dia 13 desse mês.

O TCE-PR acatou representação formulada pela empresa Ederson Enéas Mezzomo Contabilidade – ME em face do edital da Tomada de Preços nº 4/2017 do Município de Cantagalo. O representante alegou que o edital contém exigências que direcionam a licitação e restringem a competitividade.

Segundo a representação, há outras especializações da área pública e contábil que poderiam demonstrar a qualificação exigida e não são admitidas; a inscrição perante o Conselho Regional de Administração (CRA) seria obrigatória somente para pessoa jurídica constituída com a finalidade de explorar a atividade de administrador, o que não seria o caso do objeto da licitação; e há o condicionamento para habilitação apenas com atestados fornecidos por pessoas jurídicas de direito público.

Além disso, exige-se, como condição de habilitação, atestado de visita técnica e equipe multidisciplinar, sendo que a qualificação limita-se à área de auditoria. Finalmente, é contestada a pontuação conferida apenas a profissionais registrados no Conselho Regional de Contabilidade (CRC) e no CRA; e a falta de especificação de quais serviços similares ou compatíveis seriam admitidos, o que possibilita análise subjetiva.

O conselheiro do TCE-PR afirmou que não há, no instrumento convocatório, a devida justificativa para que seja indispensável a apresentação do atestado de visita técnica como requisito de habilitação. Ele também entendeu ilegal a exigência de atestado de capacidade técnica emitido exclusivamente por pessoas jurídicas de direito público.

Camargo ainda considerou necessário analisar se é possível a contratação do objeto licitado. Assim, o relator propôs a suspensão da licitação no estado em que se encontra, pois é iminente a homologação da tomada de preços, o que parece inviabilizar a obtenção da proposta mais vantajosa para a administração.

O Tribunal determinou a intimação do Município de Cantagalo e do presidente da Comissão Permanente de Licitação do município, Márcio Neves Vujanski, para o cumprimento da decisão e apresentação de justificativas em relação às irregularidades apontadas em até 15 dias.

(As informações são do Tribunal de Contas do Paraná)

Avatar

Luiz Carlos da Cruz

Jornalista desde 1998 com reportagens publicadas em grandes jornais do Brasil, como a Folha de S. Paulo e Gazeta do Povo. Teve passagens pelos jornais Gazeta do Paraná, O Paraná e Hoje, onde foi editor-chefe, além do portal CGN e Rádio Independência. Fundador dos jornais Boas Notícias e Boa Noite!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.