Serviços de impressão: controle e qualidade garantem maior economia

Prefeitura diz que licitação foi transparente (Divulgação/Secom)

O processo licitatório para contratação de empresa especializada em fornecimento de equipamentos para impressão, cópias e digitalização de documentos, que tem gerado alguns questionamentos, segundo o Departamento de Informática da Prefeitura de Cascavel, responsável pela contratação do serviço, traz inovações vantajosas para o Município. Adriano Oliveira, responsável pelo setor, explicou que o edital foi elaborado com base em experiências bem sucedidas em outros municípios, como Londrina, estados, poderes da esfera federal (Senado) e serviços como o Senac.

“É um modelo econômico, sustentável e eficaz que proporciona maior qualidade no serviço e, especialmente, o controle de quantidade e também dos conteúdos que estão sendo impressos”, explicou Adriano, lembrando que pelo novo modelo de licitação o número de máquinas disponíveis para prestação de serviços ao Município passará de 395 para 550.
Segundo ele, o software de gerenciamento das impressões, que é uma das grandes, se não a principal inovação da proposta, não é exclusivo de um único fabricante (Kyocera), “tanto é que a segunda colocada na licitação apresentou proposta contento o software aplicado às máquinas da Samsung”.
O gerente de Informática explicou ainda os critérios para a compra das impressões coloridas foram alterados substancialmente. “Agora, o Município vai pagar proporcionalmente ao que for impresso e não mais na forma da última licitação que se imprimia uma linha e se pagava como folha cheia”, completou.
Economia e eficiência
O diretor do Departamento de Compras da Prefeitura de Cascavel, Edson Zorek, rebate os apontamentos feitos pelo vereador Fernando Hallberg sobre direcionamento da licitação e prejuízos aos cofres públicos. “Não há direcionamento para equipamento e empresas. Há sim, uma exigência de que sejam atendidos os interesses do Governo Municipal em economia e eficiência nos produtos e serviços que contrata”, afirmou.
Zorek lembrou que o vereador está comparando apenas um item (cópia monocromática) da nova licitação, que tem registro de preço para 12 meses, com a anterior que tinha ata de registro de preços parar apenas 7 meses. “O edital contempla vários serviços e também diferentes equipamentos que atendem necessidades de acordo com a demanda das secretarias que são diferentes e exigem equipamentos diferentes”, detalhou.
Edson Zorek lembrou ainda que o prefeito Leonaldo Paranhos chegou a suspender o certame e buscar a participação do Observatório Social, do Sebrae e da Câmara de Informática da Associação Comercial e Industrial de Cascavel, para garantir que o processo tivesse “total transparência”, bem como protegesse os interesses da administração pública. “Somente a utilização do software de gestão, na prática, vai representar uma economia de cerca de até 30%, mantendo a determinação do prefeito Paranhos e buscar a máxima economia, junto com a eficiência e qualidade do serviço ou dos produtos que estão sendo contratados por todo o governo municipal”.
Valores
E pesquisa que realizou pessoalmente, somente para impressões monocromáticas (preto e branco) ao que é oferecido no mercado cascavelense, Zorek encontro valores que variam de R$ 0,15 a R$ 1,00. “Pela nova licitação, a Prefeitura de Cascavel vai pagar menos de R$ 0,08 por cópia, valor bem abaixo do que é praticado no mercado local. Além disso, a economia vai ser gerada pela qualidade exigida e o controle efetivo também do que está sendo impresso e pago pela administração”, afirmou.
Denúncia ao MP
Quanto a denúncia que o vereador afirma que levará ao Ministério Público, o diretor do Departamento de Compras afirmou que não há a menor preocupação. “Temos todo interesse que o Ministério Público investigue todo o processo e comprove o que já temos explicado exaustivamente. Toda documentação está à disposição e o próprio pregão foi transmitido ao vivo e está disponível na internet (Youtube) para ser acessado por qualquer cidadão, a qualquer momento”, reforçou.
(Secom)

Avatar

Luiz Carlos da Cruz

Jornalista desde 1998 com reportagens publicadas em grandes jornais do Brasil, como a Folha de S. Paulo e Gazeta do Povo. Teve passagens pelos jornais Gazeta do Paraná, O Paraná e Hoje, onde foi editor-chefe, além do portal CGN e Rádio Independência. Fundador dos jornais Boas Notícias e Boa Noite!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.