“Precisamos reverter esta decisão e avançar”, diz Paranhos em Fórum sobre aftosa

“Somos uma região agrícola, produzimos e a nossa região tem peso nesta decisão que deve ser tomada, que é a nossa liberdade. Estamos passando por uma servidão e este sistema nos leva a ser reféns de algo que não precisamos mais fazer. Precisamos reverter esta decisão  e avançar”. Esta constatação foi feita pelo prefeito Leonaldo Paranhos, na tarde de hoje (23), durante o “Fórum Regional Paraná Livre de Aftosa Sem Vacinação”. O evento organizado pela Adapar (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná) levantou o debate com as entidades do setor agropecuário sobre as ações necessárias para solicitação e reconhecimento do status de Área Livre de Febre Aftosa, sem vacinação.

O evento foi realizado no Teatro Emir Sfair e contou com a participação de agropecuaristas, cooperativistas, o presidente da Faep (Federação da Agricultura do Estado do Paraná), Ágide Meneghette, o diretor-presidente da Adapar, Otamir Cesar Martins,  os secretários de Estado de Planejamento, Valdemar Bernardo, e de Agricultura, Norberto Ortigara, entre outras lideranças do setor agropecuário de Cascavel e Oeste. O Fórum serviu para discutir as vantagens que o fim do status de “Estado livre de aftosa com vacinação” trará para o setor.

De acordo com o secretário Norberto Ortigara, o momento ainda é de cautela e respeito à legislação que determina a imunização do rebanho contra a febre aftosa. “Temos que vacinar nosso rebanho. A multa para quem não fizer é alta, por isso vacinem seus animais, mas fiquem certos de que estamos perto de conseguir o status de Estado livre da aftosa sem vacinação. O Paraná vai avançar, porque precisamos avançar, para desenvolvermos ainda mais”, disse. O secretário de Planejamento foi além e disse que “o Paraná é a locomotiva deste país; o Paraná tem motor próprio e este motor é o setor agropecuário”.

Ágide Meneghette afirmou que “a erradicação da febre aftosa sempre foi nosso objetivo e estamos próximos de conquistá-lo. O Paraná já é reconhecido como área livre de febre aftosa com vacinação. Agora, o Estado precisa avançar para retirar a vacinação contra a doença”. A suspensão da vacina dará mais garantias de qualidade ao rebanho paranaense permitindo a conquista de novos mercados internacionais para os produtos agropecuários, principalmente e bovino, suínos e aves. A última campanha de vacinação está ocorrendo agora em maio, com encerramento previsto para o próximo dia 31.

(Secom)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.