Morre Simone Veil, símbolo do feminismo e ex-presidente do Parlamento Europeu

A primeira mulher eleita presidente do Parlamento Europeu, em 1979, Simone Veil, morreu nesta sexta-feira (30) aos 89 anos, anunciou a família. A informação é da Agência EFE.

Simone Veil é considerada símbolo da luta pelos direitos das mulheres após legalizar o aborto na França em 1974, quando era ministra da Saúde.

A primeira mulher presidente do Parlamento Europeu, Simone Veil – (Foto Agência EFEAgência EFE)

Ela sobreviveu, durante sua adolescência, ao campo de extermínio nazista de Auschwitz. Nascida em Nice em 1927, em uma família de judeus não praticantes, foi detida pela Gestapo em 1944, assim como boa parte de seus familiares, alguns dos quais (seus pais e um irmão) não sobreviveram à detenção.

De volta à França, Veil estudou direito e trabalhou como funcionária do alto escalão na magistratura até que, em maio de 1974, o presidente recém-eleito, Valéry Giscard d’Estaing, a nomeou ministra de Saúde, cargo em que ficou marcada sobretudo pela conhecida “Lei Veil”, que permitiu a interrupção voluntária da gravidez.

Na defesa dessa lei no Parlamento, Simone enfrentou uma oposição particularmente dura da direita, com alguns deputados chegando a acusá-la de apoiar o genocídio e de comportamento similar ao dos nazistas.

Entre 1979 e 1982, ela presidiu o Parlamento Europeu, na primeira vez em que seu integrantes foram eleitos por sufrágio universal.

Simone voltou a ocupar um cargo ministerial como titular de Saúde e Assuntos Sociais no governo do primeiro-ministro Edouard Balladur, entre 1993 e 1995, foi membro do Conselho Constitucional entre 1998 e 2007 e entrou para a Academia francesa em 2008.

Em uma das primeiras reações à sua morte, o presidente francês, Emmanuel Macron, em mensagem no Twitter, manifestou pesar à família e disse esperar que Simon Veil “possa inspirar, com seu exemplo”, os franceses, a encontrar “o melhor da França”.

(Agência EFE)

Avatar

Luiz Carlos da Cruz

Jornalista desde 1998 com reportagens publicadas em grandes jornais do Brasil, como a Folha de S. Paulo e Gazeta do Povo. Teve passagens pelos jornais Gazeta do Paraná, O Paraná e Hoje, onde foi editor-chefe, além do portal CGN e Rádio Independência. Fundador dos jornais Boas Notícias e Boa Noite!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.