Mobilidade urbana: obras do PDI avançam em vários pontos

Com seis meses de administração, o atual governo segue tocando diversas obras que estão em andamento pelo PDI, o Programa de Desenvolvimento Integrado, que pelas contas do atual secretário de Planejamento e Urbanismo, Fernando Dillenburg, a partir da análise do cronograma original, “várias delas já deveriam ter sido concluídas, mas estamos conseguindo reorganizar o planejamento e seguir o projeto com alguns ajustes necessários, uma vez que o grande problema que constatamos foi que houve  dificuldade de planejar e ordenar tecnicamente as obras”.
Na Avenida Brasil, por exemplo, “seguimos apagando incêndios”, pois houve algumas falhas no cronograma, principalmente em relação à implantação da rede subterrânea – que substituirá a rede aérea de energia elétrica e de telecomunicações, com implantação de iluminação pública em LED – que está com 41,61% das obras executadas e com prazo de conclusão para setembro, enquanto as obras de calçamento e de pavimentação já estão praticamente concluídas no antigo calçadão e entraram em fase de arremates”.
Dillenburg  explica que são contratos diferentes que não seguiram um cronograma paralelo. “Agora temos um calçadão totalmente no escuro por falta de um projeto que não observou a lógica técnica. Contudo, queremos, num curto espaço de tempo e com o menor impacto possível nas obras prontas, solucionar este problema também, substituindo os postes da área central, iluminando o coração da cidade para trazer também maior segurança aos moradores e comerciantes”, continua Dillenburg.
Do contrato da Avenida Brasil com a Paulitec com valor inicial de R$ 41.252.899,49 – que somados os aditivos chega a R$ 61.097.439,88 –  já foram pagos R$ 49.538.281,58 e executados 85,30% da obra. O prazo para entrega expira no dia 6 de agosto enquanto que, paralelamente, segue o contrato para implantação da rede subterrânea com a Ecolux Engenharia e Iluminação Ltda no valor inicial de R$ 4.878.584,82, aditivado para R$ 4.919.389,56, dos quais já foram pagos R$ 2.047.041,08.
Ainda referente às obras da Avenida Brasil, a Paulitec está concluindo a instalação de lixeiras e bancos, terminando os quiosques e a instalação dos demais equipamentos de lazer, além de rever problemas detectados pela atual administração na ciclovia e demais trechos ao longo dos sete quilômetros da reurbanização.
Paralelamente a administração prepara o processo de licitação para a concessão de uso dos quiosques, conforme já previsto no projeto original. Ao todo são nove espaços. Sete foram construídos na região do antigo calçadão, um fora dele e outro está localizado no entorno da Biblioteca Pública, que também passa por revitalização, assim como a Travessa Padre Champagnat; um deles será destinado para a Polícia Militar e a Cettrans, enquanto que os demais serão concedidos para instalação de revistarias e lanchonetes.
 
Transporte coletivo integrado
O PDI também prevê a interligação do sistema de transporte coletivo urbano com o chamado Bus Rapid Transit (BRT). Até o momento a Avenida Brasil já está com as pistas exclusivas prontas para o trajeto dos ônibus. Os corredores exclusivos também estão sendo concluídos na Avenida Barão do Rio Branco, cujo contrato no valor de R$ 5.981.886,87 vence em 18 de agosto. Até agora foram pagos R$ 2.192.273,01 à empresa Dalba Engenharia, que a exemplo dos trabalhos executados na Brasil também implantará na avenida  estações de embarque e desembarque, ciclovia, pista de caminhada, entre outras melhorias. “O contrato seguiu o cronograma previsto, sem aditivos de prazos e de preço e assim será concluído”, detalha o secretário.
A Seplan acaba de concluir os projetos para encaminhar para licitação a reurbanização da Avenida Tancredo Neves, que igualmente receberá a infraestrutura da Brasil e da Barão e complementará a interligação do transporte coletivo com os corredores exclusivos e as demais melhorias que estimulam o uso de outros meios de transporte, como a bicicleta.
“Pelo cronograma original as três avenidas e os quatro terminais deveriam ser concluídos ao mesmo tempo, para que o transporte coletivo interligado pudesse ser implantado imediatamente após o término das obras, o que não poderá ocorrer. No caso da Tancredo o edital está previsto para publicação no início de agosto. Houve atraso porque não foram previstos os projetos para o tráfego no entorno da via, o que seria gravemente afetado com a ausência de retornos, o que agora está garantido”, detalha Dillenburg.
 
Semaforização e sincronização
Paralelamente a estas obras e projetos está em andamento a implantação da sinalização semafórica das três avenidas. O contrato com a Dataprom – empresa vencedora da licitação – engloba a Brasil, a Barão e a Tancredo, com um valor de R$ 14.249.990,00. O valor pago até o momento é de R$ 6.192.368,44, referente a 43,46% de execução da Brasil e da Barão, mas segundo Dillenburg, houve entendimento entre a empresa e a Prefeitura “no sentido de reintegrar ao contrato ações que não estavam previstas, como a Central de Gerenciamento do Sistema, uma vez que o equipamento existente é totalmente obsoleto. Diante disso, já sabemos que será necessário rever também os valores”, explicou o secretário, segundo o qual o aditivo deverá resultar num acréscimo de cerca de R$ 2 milhões.
Ao fim de toda a implantação os semáforos serão sincronizados, de forma a facilitar e agilizar a passagem dos ônibus de forma inteligente, melhorando a fluidez também para os demais veículos.
 
Terminais de transbordo
Para integrar o sistema do transporte coletivo urbano,  quatro novos terminais foram programados. Obras e licitações estão em andamento. Em fase de conclusão está a obra do Terminal Leste, no valor de R$ 3.792.858,85, dos quais R$ 2.212.488,73 já foram pagos até o momento. O prazo de conclusão é 19 de julho e, de acordo com o secretário Dillenburg, embora esteja sendo concluído, o terminal não será colocado em operação imediatamente, pois será necessário aguardar a conclusão dos demais para interligar o sistema. “Devido à localização e sem a interligação, o deslocamento do leste encareceria a passagem e os custos para o sistema e o passageiro”.
Ainda segundo o secretário, o Município deverá glosar o contrato com a Paulitec, que está em vias de ser concluído, excluindo o trecho da Brasil onde hoje está o atual Terminal Leste e, num futuro próximo, quando os demais terminais estiverem prontos, licitar separadamente a demolição do atual terminal e a conclusão daquele trecho da avenida. “Avaliamos que sairá muito mais barato para o Município pagar separadamente aquele trecho do que aditar o prazo do contrato com a Paulitec para concluir a obra da Brasil depois que os terminais estiverem concluídos”.
O Terminal Nordeste teve o processo licitatório homologado e adjudicado no dia 20 de junho. A Costa Oeste Construções Ltda venceu a licitação pelo valor de R$ 5.241.381,51. Assinado o contrato agora em julho, a empresa irá iniciar a obra, com oito meses de prazo para concluí-la. “Paralelamente a equipe ainda está concluindo os projetos executivos para poder publicar o edital de licitação do Terminal Sudoeste. A previsão de publicação é para setembro deste ano”, acrescenta Dillenburg, lembrando que, na semana passada foi publicado o edital de licitação do Terminal Oeste, com valor estimado em R$ 6.412.497,44.
 
Viaduto está em vias de conclusão
Projeto para interligar os bairros Pacaembu e Presidente, na região sul da cidade, o viaduto em execução sobre a rodovia BR-277 ligando a Rua Olindo Periolo, no Pacaembu, à Rua Áustria, no Jardim Presidente, está com 90,40% da obra executada pela Legnet Engenharia Ltda. O valor do contrato original de R$ 5.995.428,00 saltou para R$ 6.432.676,59 com os aditivos. Desses, já foram pagos R$ 5.814.829,37. O prazo de entrega da obra, também aditivado, termina no dia 20 de julho.
Segundo Dillenburg, as alças que ligam o viaduto à rodovia são de responsabilidade da concessionária que administra o trecho, a Ecocataratas. “O projeto está pronto, contudo, a prefeitura não pode executar a obra na área de domínio da concessionária, que está fazendo os estudos
para a implantação das alças”, detalha.
 
Parque Morumbi
O excesso de chuvas no primeiro semestre deste ano comprometeu, segundo Dillenburg, o andamento do cronograma de execução do Parque Linear Morumbi, cujas obras foram lançadas pelo prefeito Leonaldo Paranhos no dia 5 de maio, quando da assinatura do contrato no valor de R$ 16.950.000,00 com a Contersolo Construtora de Obras Ltda. Até o momento foram pagos R$ 387.957,33 à empresa, referentes a 2,29% do cronograma executado.
Com prazo de conclusão da obra para o início da maio do próximo ano, o Morumbi Ecopark Região Norte compreende a recuperação e alargamento do canal da Sanga Amambay com proteção das margens, recuperação da mata ciliar e construção de diversos equipamentos públicos de esporte e lazer, incluindo o Centro de Convivência Intergeracional, com 1.634 m².
Além do revestimento do canal, serão implantadas no local  pista de caminhada, ciclovia com bicicletário, equipamentos de esporte e lazer para adultos e crianças, como academias ao ar livre, parque infantil, quadras de vôlei de areia, quiosques, áreas de convívio, miniginásio de esportes, praças para recuperação de nascentes, áreas para estacionamento com vagas adaptadas e o CCI (Centro de Convivência Intergeracional), com salas para oficinas de cultura e atividades com grupos de convivência e fortalecimento de vínculos da assistência social.
Anexo ao CCI haverá uma unidade de Cras (Centro de Referência de Assistência Social) que ofertará o serviço de proteção e atendimento integral a família.
O projeto do Parque Linear abrange uma área de 91.188,10 metros quadrados. Para realizar a obra foi necessário desapropriar alguns áreas, totalizando R$ 507 mil.
 
Próximas Licitações
Também estão previstas, ainda pelo PDI, licitações para pavimentação e abertura de vias urbanas como a Rua Jequitibá, Rua José de Sá Cavalcanti, Rua Ipanema e Rua Kennedy/Recife; a execução da rede de fibra ótica e o CCI (Centro de Convivência Intergeracional) do Cascavel Velho.
(Secom)

Avatar

Luiz Carlos da Cruz

Jornalista desde 1998 com reportagens publicadas em grandes jornais do Brasil, como a Folha de S. Paulo e Gazeta do Povo. Teve passagens pelos jornais Gazeta do Paraná, O Paraná e Hoje, onde foi editor-chefe, além do portal CGN e Rádio Independência. Fundador dos jornais Boas Notícias e Boa Noite!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.