Juiz boliviano é processado por libertar membro do PCC que liderou assalto

A Promotoria e o Conselho de Magistratura da Bolívia apresentaram hoje (18) ações contra um juiz que libertou em 2016 o brasileiro líder da quadrilha que tentou assaltar uma joalheria no leste do país, morto após trocar tiros com policiais, e que tinha vínculos com o Primeiro Comando da Capital (PCC). A informação é da agência EFE.

O Conselho da Magistratura abriu um processo disciplinar contra o juiz Fernando Rivadeneira, que concedeu prisão domiciliar ao brasileiro Antonio Adão da Silva Costa em outubro de 2016. Já o promotor do departamento de La Paz, Edwin Blanco, anunciou que apresentou uma ação penal contra o juiz, que será investigado pelos crimes de descumprimento de deveres e prevaricação.

Segundo as autoridades bolivianas, Antonio Adão era o líder do grupo que tentou assaltar a joalheria Eurochronos, em Santa Cruz de la Sierra. A ação foi frustrada pela polícia, mas os bandidos fizeram reféns e trocaram tiros com os agentes.

No tiroteio, os policiais conseguiram matar Adão e outros dois bandidos. Um agente e uma gerente da joalheria também foram atingidos e morreram no local. Três funcionários da loja ficaram feridos, dois deles em estado grave.

(Agência EFE)

Avatar

Luiz Carlos da Cruz

Jornalista desde 1998 com reportagens publicadas em grandes jornais do Brasil, como a Folha de S. Paulo e Gazeta do Povo. Teve passagens pelos jornais Gazeta do Paraná, O Paraná e Hoje, onde foi editor-chefe, além do portal CGN e Rádio Independência. Fundador dos jornais Boas Notícias e Boa Noite!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.