Finanças presta conta do 3º quadrimestre de 2020

Investimentos na área de Saúde foram superiores a R$ 307 milhões em todo o ano de 2020
Apesar da pandemia, o Município de Cascavel conseguiu manter e aumentar os investimentos nos últimos meses de 2020. Os números foram demonstrados durante a audiência pública para a prestação de contas do 3° quadrimestre de 2020 nesta segunda-feira (22), na Câmara de Vereadores de Cascavel. Além dos quatros meses, o Município apresentou as metas e gastos compactados de todo o ano passado.

O valor total de arrecadação do município foi de R$ 1.020.334.113,70. A Secretaria de Finanças apontava uma expectativa para o último quadrimestre de R$ 454.487.110, porém Cascavel arrecadou R$ 384.174.570,84.

Entre as principais fontes de arrecadação o ISSQN com R$ 45 milhões (45.481.391,54) e 118 milhões em 2020.

O ICMS representa a maior parte com repasse de R$ 56 milhões (56.820.344,90) entre setembro e dezembro e R$ 146 milhões no ano (146.096.606,73).

O IPTU que angariou R$ 12 milhões (12.530.584,88) nos últimos quatro meses de 2020, em todo o ano foram R$ 68 milhões (68.031.963,05).

As despesas pagas no 3º quadrimestre foram de R$ 359,5 milhões e durante o ano de 2020 o valor foi R$ 858,7 milhões.

Mesmo com o cenário adverso, devido à pandemia, a Prefeitura de Cascavel manteve todos os serviços, investimentos, previdência e pagamentos de funcionalismo e fornecedores.

A secretaria de saúde continua sendo a pasta que mais absorve investimentos do Município. O secretário de Finanças, Renato Segalla informa que foram gastos R$ 307 milhões para setores da saúde durante o ano. Valor atípico, com números maiores em comparação aos outros anos justamente por causa da covid-19.

Em segundo lugar em investimentos a educação com R$ 243,4 milhões em 2020.

BID

A maior dívida fundada pelo município é com o BID, no valor de R$ 120 milhões, devido aos financiamentos contraídos nos últimos anos para obras de infraestrutura. Com mais investimento, mais os gastos aumentaram, de acordo com Segalla.

O cenário apresentado pelo secretário de finanças Renato Segalla mostra que mesmo diante das adversidades, o orçamento prevê 4% de crescimento para 2021 em relação à 2020. “Vamos torcer que a economia se recupere, com a vacinação a pandemia seja superada e a gente consiga investir”, diz.

Texto: Alexandra Oliveira

Foto: Luiz Carlos da Cruz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.