Estado avalia potencial turístico em reservatórios artificiais

A proposta é apresentar Resolução que normatiza projetos ambientais em reservatórios de água doce às margens do Rio Paraná. O documento foi apresentado pelo secretário do Desenvolvimento Sustentável e Turismo do Paraná, Márcio Nunes

O secretário estadual do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, percorreu, nesta semana, as margens do Rio Paraná, no Oeste do Estado, para identificar potenciais de turismo em água doce.

A proposta é que o turista encontre nesses espaços um produto turístico, com infraestrutura, treinamento e capacitação de profissionais locais. De acordo com o secretário, o setor é uma mola mestra para a geração de emprego.

“O Paraná tem um grande potencial de água doce que pode ser explorada para o turismo. É um manancial de água limpa que, além de linda, tem uma temperatura agradável, acima de 25 graus”, destacou.

Nos encontros com a comunidade e os prefeitos, o secretário apresentou a Resolução Conjunta Sedest/IAT nº 023/2019, criada para normatizar projetos ambientais em áreas de preservação.

“Esta é uma possibilidade do Governo do Estado conhecer mais de perto os municípios, expor as ideias do poder público e ouvir as demandas de quem vive nas cidades”, disse.

Ele lembrou, ainda, que na semana passada visitou as Usinas Hidrelétricas existentes às margens do Rio Iguaçu e, nos próximos dias, a proposta é percorrer os destinos do Rio Paranapanema.

“Estamos em uma grande expedição pelos rios, conhecendo os reservatórios artificiais onde estão construídas barragens que geram energia. A ideia é usar esses locais para que também gerem emprego, renda, turismo, esporte e lazer, com o objetivo de melhorar a vida das pessoas”.

POTENCIAIS TURÍSTICOS – No Estado, o Rio Paraná faz divisa com Mato Grosso do Sul (MS). O rio também separa os estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, além de demarcar a fronteira entre Brasil e Paraguai, numa extensão de 190 km até a foz do rio Iguaçu.

O Paraná é considerado o oitavo maior rio do mundo em extensão (4.880 km) até a foz do Estuário da Prata, e o maior da América do Sul, depois do rio Amazonas.

No município de Santa Helena, o secretário Márcio Nunes conheceu a estrutura do antigo Iapar/Emater (atual IDR), localizada na antiga Base Náutica do município. O local tem como proposta gerar conhecimento científico, desenvolver e transferir tecnologias e formar e capacitar profissionais para o desenvolvimento sustentável da agropecuária paranaense.

Em Itaipulândia, a visita foi na Base Náutica, cujo lago é polo de pesca esportiva. O local permite atividades de travessia de canoagem e vela, com atracadouro e rampa que facilitam o acesso de barcos.

Durante a visita na Prainha de Três Lagoas, em Foz do Iguaçu, foi discutida a proposta de criar uma nova infraestrutura e promover grandes eventos náuticos nacionais. O balneário, cedido pela Itaipu Binacional, possui 400 metros de orla e estrutura recepcionar os turistas, como camping, quiosques, churrasqueiras e estacionamento.

O secretário também visitou, nesta semana, a Base Pelotão Cobra BPFRon, em Entre Rios do Oeste; o Clube Náutico Toledo, em Marechal Cândido Rondon; o Balneário de Vila Yara, em Altônia; o acesso ao rio no Parque Nacional de Ilha Grande, em São Jorge do Patrocínio, local considerado como a prainha da cidade; o Porto Camargo e o Porto Novo em Icaraíma; e o Porto Figueira em Alto Paraíso.

Foto:SEDEST

(AENPR)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.