Alunos aprendem astronomia com modelo de material reciclado

A curiosidade dos alunos do Ensino Fundamental do Colégio Estadual Humberto de Campos, em Querência do Norte, no Noroeste do Estado, despertou no professor de Ciências Tiago Rafael Davies uma ideia que mudou a maneira de ensinar os conteúdos da disciplina. Com um pouco de criatividade e alguns materiais reciclados ele montou um modelo do Sistema Solar no laboratório da escola.

“Percebemos que, como é um assunto muito abstrato, por mais que o professor mostre vídeos e fotografias, os alunos têm dificuldade de entender essa organização. Por isso pensamos em fazer um modelo em três dimensões para facilitar a compreensão do conteúdo de uma maneira mais lúdica”, explicou Tiago.

Com o modelo, ele conseguiu demonstrar para os alunos dos 6° ano quais são os astros do Sistema Solar e explicar o como são o planeta Terra, as estrelas e suas composições. Também foi possível representar os movimentos celestes que resultam no dia e na noite, as fases da Lua e as estações do ano.

Os estudantes do 7° ano puderam visualizar a formação do planeta Terra, da atmosfera, a composição do Sol e a emissão de energia por meio da fusão e fissão nuclear. No 8° e 9° anos, os alunos estudaram a origem e evolução do universo com foco no sistema solar e as Leis de Kepler e Leis de Newton.

“Eles conseguiram visualizar de forma mais contextualizada os movimentos e entenderam de uma maneira mais simples e prática os conteúdos que estão presentes nos livros”, destacou Tiago.

SIMPLES E BARATO – Foram gastos R$ 150,00 para comprar alguns dos itens necessários para a montagem do modelo. Os recursos vieram da Associação de Pais, Mestres e Funcionários (APMF). No entanto, a maioria dos materiais utilizados foram reciclados pela própria escola.

A luminária de um poste de luz que não era utilizado, por exemplo, junto com uma lâmpada de LED, se transformou no Sol que, em uma sala escura, projeta a luz sobre os planetas e sobre a Lua.

Para simular os planetas de Marte, Mercúrio e Vênus, o professor usou bolinhas de Natal. O planeta Terra foi representado por um globo. Júpiter, Saturno, Netuno e Urano ganharam forma em bolas de isopor. A Lua, por sua vez, é uma bolinha de gude. O modelo também conta com um cinturão de asteroide entre Marte e Júpiter feito com pedras brita, barbante e cordas.

O professor destaca que mais chama a atenção das turmas é conseguir observar as dimensões dos planetas em relação ao Sol. “Não tínhamos como fazer essa simulação antes e foi aí que tivemos a ideia de criar esse simulador. Foram utilizados recursos simples que, no primeiro momento, parecem que não vão causar efeito nos alunos, mas além de aprender melhor os conteúdos, eles ficam maravilhados com as representações do modelo”, contou Tiago.

(AENotícias)

Avatar

Luiz Carlos da Cruz

Jornalista desde 1998 com reportagens publicadas em grandes jornais do Brasil, como a Folha de S. Paulo e Gazeta do Povo. Teve passagens pelos jornais Gazeta do Paraná, O Paraná e Hoje, onde foi editor-chefe, além do portal CGN e Rádio Independência. Fundador dos jornais Boas Notícias e Boa Noite!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.