Município faz depósito de R$ 4,3 mi e vistoria Jacomo Lunardelli

Agora é oficial: Hospital Jácomo Lunardelli é propriedade do Município de Cascavel
Acompanhados dos secretários de Saúde e Assuntos Jurídicos, Rubens Griep e Luciano Braga Côrtes, o prefeito Leonaldo Paranhos e o vice-prefeito Jorge Lange, vistoriaram na tarde de hoje (20) as instalações do Hospital Jácomo Lunardelli que foi adquirido pelo Município de Cascavel por R$ 8.549.718,21, valor arbitrado por avaliação judicial. Conforme o acordo firmado com Renato Festugatto Neto, a primeira parcela no valor de R$ 4.249.718,21, foi depositado hoje e o restante será pago em 12 parcelas de R$ 354.143,18 corrigidas monetariamente pelo índice do Tribunal de Justiça do Paraná, sendo a primeira com vencimento para o dia 20 de janeiro.
Ao final da vistoria, em coletiva a imprensa, Paranhos disse que todos os esforços foram empenhados para que as negociações chegassem ao êxito alcançado “porque já conhecíamos o hospital e dentro do nosso programa de ‘Saúde Humanizada’ este espaço será rapidamente utilizado, dentro das nossas possibilidades, pela UPA do Brasília”. Paranhos disse que a unidade do Brasília precisa passar por ampliação e reforma e, após a conclusão dessa obra, “vamos trabalhar como esse espaço será utilizado após abrigar a UPA Brasíla”.
Paranhos destacou que a estrutura verificada, na primeira análise, atende as expectativas iniciais do Município e, vencido o primeiro desafio que foi o de viabilizar os recursos para a aquisição do imóvel, “uma vez que não tínhamos estes recursos previstos no orçamento”, agora, inicia o trabalho para transferência da UPA. Paranhos lembrou que todas as secretarias abriram mão de recursos, “especialmente, a Secretaria de Obras, onde o secretário Jorge (Lange) nos repassou o fundo da iluminação pública, além dos recursos que entraram no caixa da Prefeitura nesse final de ano”.
Paranhos explicou que estes recursos (R$ 4,3 milhões) serão repassados pelo Governo do Estado durante o ano, “mas não podemos utilizar essa verba do Estado para comprar prédio, então vamos comprar serviços, na verdade o Município ganha de duas formas: além de comprar o hospital, ganha uma musculatura na Secretaria de Saúde para comprar outros serviços”. O prefeito ainda destacou o empenho “dos nossos deputados, a devolução de dinheiro da própria Câmara e um conjunto de ações em prol do interesse público que proporcionou essa grande conquista para saúde pública de Cascavel”.
Segundo Paranhos, a estrutura do Jácomo Lunardelli é muito boa e foi reformada recentemente. “Chegamos a colocar esse hospital para funcionar em parceira com o Estado, mas com o leilão acabou sendo paralisado”. Alguns ajustes serão necessários para o funcionamento efetivo comece, mas “com uma capacidade enorme de estender os serviços com melhor qualidade. Então, possivelmente em fevereiro, início de março, o secretário Rubens (Saúde), com toda sua equipe estará trazendo  a UPA Brasília para o Jácomo. Alias, esta é uma UPA que não corresponde às normas do Ministério da Saúde e o Município nem recebe recursos para o seu funcionamento”.
Decisão compartilhada
Paranhos disse ainda que após a reforma da UPA do Brasília ser concluída, a definição sobre a utilização do Jácomo será compartilhada. “Vamos ouvir o promotor da Saúde, o Dr. Ângelo (Mazzucchi Ferreira) que tem toda uma preocupação com a saúde primária. Não podemos desviar recursos da saúde primária para fazer isso (viabilizar um Hospital Municipal). Teremos que fazer convênios com o Estado, com o Governo Federal e vamos usar, inclusive, os leitos de UTI”, resumiu.
Quanto a necessidade de servidores, Paranhos afirmou que o quadro será utilizado o quadro já existente. “Vamos utilizar os servidores da UPA Brasília; hoje temos uma parceria muito boa com profissionais do Consamu na UPA Tancredo Neves e, possivelmente, vamos remanejar os servidores de lá”, pontuou.
Paranhos lembrou que “um hospital tem muitas despesas e é bom que se deixar claro que este não será um hospital de alta complexidade; o que estamos passando neste momento com pessoas nas UPAs causando um gargalo, é um problema da alta complexidade e estamos cuidando da saúde do Município”. Para a alta complexidade, Paranhos reafirmou a necessidade de construir parcerias com o Estado e a União. “Mas, demos um passo muito importante porque com uma estrutura com esta envergadura teremos melhores condições de atendimento”, completou.
Reforma da UPA Brasília
Paranhos disse ainda que para reforma e ampliação da UPA Brasília, obra que ainda precisa ser licitada, já existe o projeto e os recursos e que seriam de oito a nove meses de execução.  “Havia uma grande preocupação em fazer esta reforma com gente dentro porque causa um desconforto enorme. Agora temos uma nova condição muito melhor”, concluiu.
Acompanharam a vistoria do Jácomo também o deputado estadual Adelino Ribeiro e os vereadores, Josué de Souza, Roberto Parra, Carlinhos Oliveira, Sidnei Mazutti e Celso Dal Molin.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.